Home

 

Parte do Nautical Atlas, elaborado por cartógrafos de Dieppe, França, em 1538

 

DEITADO ETERNAMENTE

Parte 1 de 4

Até que ponto a origem e a cultura dos colonizadores influencia o destino de um país?  A revelação de estranhas atitudes do portugueses em relação ao Brasil pode esclarecer um bocado sobre as causas da nossa esculhambação nacional.

"A culpa é dos portugueses! Se tivesse sido descoberto pelos espanhóis, franceses ou ingleses, o Brasil seria muito mais desenvolvido". A conversa é típica de fim de festa, quando o cunhado já bebeu toda a cerveja do freezer e sobre a mesa da sala restou apenas um risole de frango amassado. E sempre aparece uma prima professora para retrucar: "Se fosse assim, as Guianas, as Antilhas e várias nações da África colonizadas por esses europeus seriam potências em vez de países miseráveis". Antes que a discussão se alongue, a dona da casa, sabiamente, serve o cafezinho - sinal inequívoco de que é hora dos convidados irem embora.

E agora? Quem está certo? Será que a nacionalidade do colonizador tem influência sobre o desenvolvimento da nação? Parece que tem. Não apenas o conjunto social, histórico e cultural que constitui a bagagem de um povo, mas também a forma de o colonizador pensar, a sua lógica, pode alterar o rumo de um país em formação. Isto aconteceu conosco.

Franceses, holandeses ou ingleses?

Quando o Brasil foi descoberto, em 1500, Portugal estava mais preocupado com as especiarias das Índias que com novas terras. A expedição que percorreu a nossa costa em 1502 e 1503, constatando que não havia ouro nem pedras preciosas no litoral, não fez mais que dar nomes de santos aos principais acidentes geográficos e ir embora. E nos teria deixado esquecidos muito mais tempo, não fosse a insistência da França em se estabelecer aqui; os franceses planejavam desenvolver cidades e povoar a nova terra, mas foram repelidos pelos portugueses, os quais só tinham interesse em extrair nossos recursos naturais e exportá-los para a Europa. Então, provavelmente, os franceses teriam sido melhores colonizadores para o Brasil.

Também os holandeses queriam fazer daqui um lugar civilizado e progressista. Realizaram importantes obras de estrutura urbana no nordeste, fizeram estudos pioneiros de Botânica e de Geologia, trouxeram artistas, artesãos, cientistas e professores e até construíram um observatório astronômico e meteorológico. Também foram expulsos pelos portugueses, que, aliás, não nos legaram sábios, mas degradados, proscritos, condenados e exilados - a escória de Portugal, um país quase feudal, com mais de 80 por cento de analfabetos. Sem dúvida, os holandeses teriam proporcionado uma civilização mais adiantada ao Brasil.

Quanto aos ingleses, pode-se dizer que foram nossos colonizadores indiretos, beneficiando-se das riquezas brasileiras desde o Descobrimento até o século 20. Portugal estava tão endividado com os britânicos que grande parte dos produtos e do ouro brasileiros era repassada diretamente por Lisboa a Londres. E mesmo mais tarde, com a nossa independência e depois com a república, a Inglaterra foi o grande credor do Brasil, a quem determinava os rumos políticos e comerciais. Mais que os portugueses, os britânicos sugaram os brasileiros por 500 anos. Com toda a certeza, a Inglaterra não poderia ter sido pior coadjuvante na colonização do Brasil.
   (continua... )

 
Celso Serqueira