Mapa da Capitania de Minas Geraes Com a Devisa 

de Suas Comarcas - José João da Rocha, 1773

BRILHAVAM COMO LUMINÁRIAS

Quando o bandeirante Fernão Dias passou pelo Sul de Minas mapeando o Caminho Velho de São Paulo para as "Minas Geraes", no século 17, encontrou um pequeno arraial cujos moradores sofriam por um mistério insolúvel: a aparição de dezenas de luzes em movimento, à noite, no alto da serra nos arredores do povoado. 

O fenômeno era conhecido desde tempos remotos, segundo relatos dos índios que habitavam a região bem antes da chegada dos colonizadores, em meados dos anos 1600, e consideravam as luzes como uma manifestação sobrenatural. Nativos, colonizadores, bandeirantes, milhares de tropeiros, fazendeiros e os moradores da cidade: todos testemunharam, no passar dos séculos, as mesmas estranhas luzes brilharem e se movimentarem no alto da serra durante quase toda a noite. 

À falta de melhor definição para aqueles fortes pontos brilhantes, os primeiros colonos diziam que "pareciam luminárias" e por isto as montanhas ficaram conhecidas como Serra das Luminárias. Quase dois séculos depois, em 1798, o povoado invocou a proteção de Nossa Senhora do Carmo, adotando o nome de Carmo das Luminárias e, depois, simplesmente Luminárias, como é chamada até hoje. 

Santos, demônios ou OVNIs

A maior parte dos mapas antigos não indicam a cidade - apenas as vizinhas Ingaí e Carrancas - , embora estivesse à margem da movimentada Estrada Real de Paraty a Diamantina. É possível que este "lapso" cartográfico tenha sido determinado pela Igreja, que também não sabia se o fenômeno era divino ou demoníaco e, por via das dúvidas, preferiu abafar o caso e tirar a cidade do mapa. 

Perdeu-se a conta de quantos aventureiros passaram a noite no alto da serra, tentando identificar a origem das luzes, em vão. Os moradores mais antigos contam que, quando havia gente lá em cima, as aparições surgiam quilômetros adiante ou, simplesmente, não ocorriam. Com a expansão da cidade, criação de estradas, movimento turístico e exploração de pedreiras na serra com o uso de dinamite, as luzes foram rareando ao passar dos anos e os relatos do fenômeno hoje são menos freqüentes. 

Curiosamente, essa agradável cidade no Sul de Minas fica a poucos quilômetros da badalada e mística São Thomé das Letras, que por sua vez está perto de Varginha, compondo uma região pródiga em relatos de aparição de OVNIs e alienígenas - quem não conhece o episódio do ET de Varginha? 

Cavernas, cannyon e cachoeiras

O maciço rochoso que passa por São Thomé é o mesmo da Serra das Luminárias e também compõe o relevo de São Bento Abade, Ingaí, Carrancas e Itumirim, terminando nas proximidades de Lavras.

A Serra de Luminárias tem mais de 20 cavernas (a maior delas com quase 500 metros de comprimento e salões gigantescos), formações rochosas impressionantes (portal de pedra, cannyon) e centenas de rios, lagos, corredeiras e cachoeiras. A região integra o Circuito Turístico Vale Verde Quedas D'Água e apresenta paisagens de extrema beleza. 

A cidade de Luminárias provavelmente é o caso mais antigo (séc. 16) de aparição comprovada de OVNIs no Brasil e talvez a única cidade do mundo que deve seu nome a eles.  (veja também: Discos Voadores No Brasil Colônia
Celso Serqueira  e-mail do autor

   > fechar <

www.serqueira.com.br

© Copyleft 2005 CMS